Eliana Tomaz

Um Malandrinho De Polvo Com Moira | Sem Polvo.

Eliana TomazComment

A semana passada fez-se um arroz de polvo cá em casa que não deixou rastos - só mesmo um caldo simples mas maravilhoso para repetir a dose no dia a seguir. 

Luis Gil, o Chef convidado, fez um arroz malandrinho rico em sabores e texturas que eu confesso ter torcido o nariz ao início. Pareceram-me muitos ingredientes juntos, mas a verdade é que estava para lá de delicioso. 

Desse dito arroz só sobrou mesmo o caldo que eu usei no dia seguinte para reproduzir a maravilha, mas sem polvo (foi todo usado no dia anterior). É essa experiência que vou partilhar contigo.

image.jpg

O polvo (que estava congelado) foi cozido na própria água só com 2 dentes de alho, uma cebola e sal. Foi com esta água que cozi (e ele também) o arroz.

Numa frigideira funda comecei por colocar os seguintes ingrediente:
- ½ cebola roxa picada
- azeite virgem extra (ver última foto para explicação do azeite)

- 2 alhos laminados
- 1 tomate maduro
- 6 tiras de anchovas
- ½ moira cortada às rodelas (ver última foto para explicação da moira)

Refogar tudo muito bem para deixar que os sabores se libertem e misturem uns com os outros. Quando achares que está tudo bem envolvido junta tomate seco cortado às tiras horizontais, volta a misturar e de seguida o vinho branco. Mexer tudo e deixar que o vinho evapore. 

image.jpg

De seguida juntar o arroz (usei o “risotto” da Caçarola mas não gostei - acho que levou muito tempo a cozer). Mexer bem e começar a juntar o caldo, concha a conha – uma concha, deixar evaporar mexendo sempre, outra concha... e assim sucessivamente até o arroz estar no ponto de cozedura que preferes.
À medida que o arroz se vai cozendo, juntar pequenas porções de manjericão picado para ir apanhando bem o sabor. 

image.jpg

Aqui falta uma folha de manjerição para embelezar este almoço que partilhei com a Rita, mas estavamos as duas tão esfomeadas que não houve tempo para ir buscar umas folhinhas à varanda. 

AZEITE - Do jantar anterior sobraram alguns tomates secos que o Luís colocou em água durante a noite. No dia seguinte tirou-se da água e deixou-se que a mesma escorresse. Coloquei dentro deste franco com azeite virgem extra + bagas de pimenta branca e preta + dois raminhos de alecrim. Umas horas depois, quando fiz o almoço usei este azeite e os tomates secos que agora estavam embebidos em azeite. MOIRA – Para quem não sabe, e eu não sabia, uma moira é um chouriço de carne e de sangue. 

AZEITE - Do jantar anterior sobraram alguns tomates secos que o Luís colocou em água durante a noite. No dia seguinte tirou-se da água e deixou-se que a mesma escorresse. Coloquei dentro deste franco com azeite virgem extra + bagas de pimenta branca e preta + dois raminhos de alecrim. Umas horas depois, quando fiz o almoço usei este azeite e os tomates secos que agora estavam embebidos em azeite.
MOIRA – Para quem não sabe, e eu não sabia, uma moira é um chouriço de carne e de sangue. 

Sobrou tomate e moira que me inspiram para uma massa um dia destes (mas sempeixe).

#BomApetite com #PeixeÉFish e as #ReceitasDeAmigos